Número total de visualizações de página

sexta-feira, 5 de julho de 2013

'Sequestro' de Morales foi ordem direta de Obama

A Bolívia acusou na quarta-feira os Estados Unidos de tentarem sequestrar seu presidente, Evo Morales, cujo avião foi impedido de sobrevoar alguns países europeus devido à suspeita de que pudesse estar transportando Edward Snowden, responsável por denunciar programas secretos de espionagem do governo norte-americano.

O avião de Morales foi impedido de sobrevoar a França e Portugal, e acabou fazendo uma escala em Viena, onde autoridades locais declararam que Snowden não estava a bordo. O governo boliviano disse que o incidente representou uma agressão e uma violação do direito internacional.

Snowden supostamente permanece no setor de trânsito de um aeroporto de Moscou, aonde chegou no final de junho. Os Estados Unidos pressionam a Rússia e outros países a entregá-lo para que responda judicialmente por ter revelado segredos nacionais, aos quais teve acesso como prestador de serviços na Agência de Segurança Nacional.

A Casa Branca não quis comentar as reclamações da Bolívia.

Morales havia ido a Moscou para participar de uma conferência sobre energia. Autoridades austríacas disseram que Morales convidou agentes locais a vistoriarem o avião, mas o ministro boliviano da Defesa, Ruben Saavedra, negou que o convite e a revista tenham acontecido.

O embaixador boliviano na ONU, Sacha Llorenti Soliz, manifestou indignação com o incidente. "Estamos falando do presidente em uma viagem oficial, após uma cúpula oficial, sendo sequestrado" disse ele em Genebra.
"Não temos dúvidas de que isso foi uma ordem da Casa Branca. De maneira nenhuma deveria um avião diplomático com o presidente ser desviado da sua rota e forçado a pousar em outro país".

O diplomata disse que a indignação boliviana era dirigida aos EUA e aos países que proibiram o sobrevoo, e prometeu fazer uma queixa formal à ONU.

O avião deixou Viena a caminho de La Paz, mas fez uma escala de reabastecimento nas ilhas Canárias (território espanhol na costa africana) e outra em Fortaleza, no início da noite desta quarta-feira.
Líderes do bloco regional sul-americano Unasul exigiram uma explicação pelos "atos "injustificáveis"" dos países europeus.

Em nota do governo peruano, que preside a Unasul atualmente, o bloco manifestou indignação pela recusa de Portugal e França em autorizar o sobrevoo.

A Bolívia está entre os mais de dez países aos quais Snowden solicitou asilo político, e Morales disse que cogitaria a concessão do benefício ao norte-americano.

(Reportagem adicional de Michael Shields, em Viena; Jean-Baptiste Vey, em Paris; Teresa Cespedes, em Lima; Daniel Ramos, em La Paz; Anthony Boadle, em Brasilia; e Mark Hosenball em Washington)

A.    G.


Sem comentários:

Enviar um comentário