Número total de visualizações de página

domingo, 23 de junho de 2013

As duas faces de Obama

Imperialista ou pacifista? Defensor ou agressor dos direitos humanos? As contradições do Presidente dos EUA na visita à Europa
Há cinco anos, Barack Obama estava fora do sistema mas dentro dos corações alemães. Em 2008, durante a campanha para as presidenciais norte-americanas, o candidato democrata viu negada pela chanceler alemã Angela Merkel a pretensão de discursar frente à Porta de Brandemburgo. Trocando o local histórico por uma praça no bairro do Tiergarten, Obama acabaria por falar perante mais de 200.000 berlinenses e prometer uma nova era de paz e de cooperação.

Esta semana, 50 anos após o histórico “Ich bin ein Berliner” (Eu sou um berlinense) de John Kennedy, Obama reencontrou a capital alemã sob uma atmosfera diferente. Desta vez, o agora Presidente norte-americano pôde discursar na Porta de Brandemburgo – mas atrás de um vidro à prova de bala e em frente a pouco mais de 5.000 pessoas.

Voltou a falar da paz mundial, da meta de redução em um terço do arsenal nuclear norte-americano e russo, do combate às alterações climáticas – “a grande ameaça global da nossa era” – através de uma maior aposta nas energias renováveis e em automóveis mais eficientes. Mas passou boa parte da visita à Alemanha a tentar justificar o polémico legado securitário de cinco anos na Casa Branca: a manutenção da prisão de Guantánamo, o uso de aviação não tripulada (drones) na eliminação de suspeitos de terrorismo e o recentemente revelado PRISM, um sistema de cibervigilância que afecta a privacidade de grande parte da população mundial.

Com o PRISM a causar indignação no Velho Continente e a dominar as conversas mantidas com Merkel, Obama reafirmou que os serviços secretos norte-americanos não leram mensagens privadas nem escutaram telefonemas sem a validação prévia de um juiz, e declarou que o sistema permitiu evitar inúmeros atentados, incluindo na Alemanha. Mas a chanceler – que foi ridicularizada por afirmar junto de Obama que a internet é “território virgem” – pediu mais esclarecimentos de Washington.

O caso revelado pelo The Guardian continua a degradar as relações da Casa Branca com os principais aliados. Edward Snowden, o antigo técnico da NSA que expôs o escândalo e que poderá estar a preparar um pedido de asilo à Islândia, promete novas revelações para os próximos dias. E sobre Guantánamo, Obama reiterou a intenção de fechar a prisão e justificou o atraso com obstáculos políticos domésticos.

Vários protestos pacifistas marcaram a visita do Presidente dos EUA, com alguns manifestantes a empunharem cartazes a satirizar slogans de Obama – o Yes we can (sim, nós podemos) passou a Yes we scan (Sim, nós vigiamos) – e de Martin Luther King – o I have a dream (Eu tenho um sonho) substituído por I have a drone (Eu tenho um drone).

Conselhos para os europeus

Depois de um primeiro mandato dedicado na frente externa a uma aposta económica e militar na Ásia-Pacífico, Obama indicia agora uma reaproximação aos velhos aliados europeus, em parte devido à pouco entusiasmada receptividade das potências emergentes asiáticas em relação aos planos de Washington. Além da negociação de um acordo de comércio livre com a União Europeia, os EUA tentam influenciar a política económica do Velho Continente, com Obama a pedir uma reponderação da receita de austeridade imposta pela Alemanha em relação à crise do euro.

“Temos de ter a certeza que no cumprimento das políticas de longo termo – sejam estas de consolidação fiscal, a reforma de um mercado laboral rígido ou das pensões – não perdemos de vista o principal objectivo, que é o de melhorar as condições de vida das pessoas”, disse em Berlim.

Obama pediu ainda uma maior aposta no combate ao desemprego juvenil. “Temos de modelar a nossa estratégia para garantirmos que não estamos a perder toda uma geração que poderá nunca recuperar em termos da construção de uma carreira”, defendeu.

Após ter ouvido Merkel afirmar que a Alemanha não prossegue “políticas que prejudiquem os outros países europeus”, pois “tal prejudicaria” os próprios germânicos, Obama admitiu não ter também “uma receita perfeita” para a crise europeia.

Sem comentários:

Enviar um comentário