Número total de visualizações de página

sábado, 22 de junho de 2013

Patrícia Benvenutti, do Brasil de Fato, entrevista Válter Pomar

Como você analisa essas manifestações que vêm ocorrendo há uma semana em todo o Brasil?

As manifestações mostram que existe uma enorme insatisfação social e uma imensa vontade de participação política represada. Como em outros momentos na história, esta insatisfação/vontade emergiu de forma basicamente espontânea, atropelando todos os partidos e movimentos sociais, inclusive o próprio Movimento Passe Livre. Como é natural em qualquer movimento de massas, há de tudo, social e politicamente falando. Mas o sentido principal do movimento é por mudanças mais radicais e mais rápidas no Brasil. Claro que a direita política e os meios de comunicação operam para capturar o movimento e direcioná-lo num sentido específico: a mudança de governo em 2014. Cabe a nós, da esquerda, especialmente ao PT, cooperar com o movimento noutro sentido: o de ser um instrumento para alterar a correlação de forças no Brasil.

De um dia para o outro a mídia comercial, que condenava o "vandalismo" das manifestações, passou a apoiar e até mesmo incentivar os protestos nas ruas. O que está por trás da mudança de atitude da mídia?


A máxima: se você não pode vencê-los, una-se a eles. Foi o que parte da direita e do PIG fizeram: tentar capturar o movimento e direcioná-lo num sentido específico: derrotar o PT e o governo Dilma. Não tiveram êxito, mas poderiam ter tido. O que nos salvou foi a sensibilidade social majoritária na base do PT e em importantes segmentos de nossa direção. Infelizmente, alguns setores não entenderam a mensagem das ruas. É o caso do ministro Cardozo, que num primeiro momento chegou a falar em oferecer a ajuda de tropas federais para enfrentar as manifestações. E é o caso, também, do prefeito Haddad, que demorou para entender que era preciso revogar o aumento e, quando finalmente tomou a decisão, a anunciou na pior companhia possível.

Nota-se um movimento forte contra a Rede Globo nas manifestações. Você acha que é um reflexo do poder das redes sociais?

Não acho que os meios tenham poder em si. As redes sociais, por exemplo, foram inundadas nos últimos dias por perfis de direita. Aliás, a direita tem know-how e dinheiro para ocupar de maneira profissional as redes sociais, com suas palavras de ordem, algumas vezes neutralizando a presença de ativistas de esquerda. O fundamental é que existe uma consciência democrática em setores de massa, motivo pelo qual, por exemplo, a reação à repressão da PM de Alckmin foi tão ampla e generalizada. É esta consciência democrática de massas que explica o repúdio à Globo e a outros meios de comunicação. As "pessoas comuns" sabem pensar e não querem que pensem por elas.

A cada dia surge um nacionalismo mais forte nos protestos e nas redes sociais também. o que te parece esse fenômeno?


Aí há fenômenos diferentes misturados. Primeiro, um movimento social de massas espontâneo não tem ainda seus próprios símbolos, por isso usa e reinventa os que têm nas mãos. No caso, os mais óbvios são a bandeira, o hino, o nome do país etc. Em segundo lugar, um setor importante da esquerda brasileira passou a valorizar a defesa da soberania nacional, inclusive por conta da situação internacional. Em terceiro lugar, existe a direita, que não é nacionalista de verdade, mas que usa o nacionalismo como biombo para ocultar seus verdadeiros propósitos e, de passagem, tentar atacar a esquerda como alienígena. Por estes diferentes motivos, é normal que neste estágio do movimento, a temática nacionalista seja tão forte.

Há uma perseguição clara, em várias cidades, contra militantes de partidos políticos. O que isso representa?


Representa uma mistura de despolitização de direita, com um legítimo cansaço das pessoas em relação a política tradicional. E é potencializado pelo distanciamento entre os partidos políticos de esquerda e a vida cotidiana da população. No caso do PT, é um alerta: ou mudamos de política e de conduta, ou parcelas crescentes da população vão nos jogar na vala comum. 

Quais os desafios da esquerda partidária nesse momento?


Mudar de política e mudar de conduta. As manifestações mostraram que existe espaço para mobilizar a sociedade em defesa de reformas estruturais mais profundas. E mostraram, também, que se a esquerda que está no governo não se apoiar nesta mobilização, para mudar o país mais rápido e profundamente, quem vai crescer é a direita, não a esquerda oposicionista. Mas para se apoiar nesta disposição de luta que existe na sociedade, é preciso voltar ao povo, organizar o povo, estar disposto a conviver com as contradições de um movimento social de massas com novos personagens e, principalmente, que atua num contexto novo: em que a esquerda está nas ruas e também nos governos. 

Qual pode ser o impacto eleitoral dessas manifestações?


Depende do nosso comportamento no PT. Se nós do PT tivermos sensibilidade social e ativismo político, estas manifestações e as que virão ajudarão o país a mudar mais rápido, nos ajudarão a vencer a direita em 2014 e nos ajudarão a fazer um segundo mandato Dilma melhor do que o primeiro. Se nos faltar sensibilidade e ativismo, pode ocorrer como na Espanha, em que o povo ocupou as ruas e a direita ocupou as urnas.

Há alguns setores pedindo impeachment da presidenta Dilma. Você acha que isso pode crescer?


Não. A reação da Dilma, do Lula, das instâncias de base do PT e, embora tardia, a nota da direção nacional do PT não abrem espaço para isto. Claro que setores da direita vão falar nisto, mas o objetivo real é tentar nos desgastar tendo em vista 2014. 

----------------------------------------
Valter Pomar é historiador formado pela Universidade de São Paulo, doutor em História Econômica e gráfico formado pelo Senai. Foi secretário de Cultura, Esportes, Lazer e Turismo da Prefeitura de Campinas de 2001 a 2004. Integra a direção nacional do Partido dos Trabalhadores desde 1997 e atualmente é secretário de Relações Internacionais do Partido.

F. J. O. A. 



Sem comentários:

Enviar um comentário