Número total de visualizações de página

domingo, 5 de junho de 2011

Os dois lados do cérebro…

Uma mente e dois cérebros. Durante as duas últimas décadas tem-se tentado compreender a origem do processo criativo. Foi perguntado a mais de dez mil pessoas o seguinte: “Donde obtém as melhores ideias?”

As respostas foram surpreendentes, considerando especialmente todo o tempo do dia que as pessoas passam no trabalho.

Quando obtém as melhores ideias? 97% responderam que, durante o banho, antes de dormir, quando não faço nada, quando caminho, a conversar ou a ditar, analisando, nas férias, diversas outras actividades; 3% responderam que, no trabalho.

Porque acontece isto? Temos mais que um cérebro… Um, faz o nosso trabalho, o outro encarrega-se de gerar ideias criativas que nada têm a ver com o trabalho.

Foi Platão o primeiro a postular, no mundo Ocidental, a ideia de que há dois aspectos distintos na mente humana. A um destes aspectos chamou «Logistikon», a parte racional do ser humano. Ao outro, chamou “Nous”, a parte intuitiva das pessoas.

No mundo Ocidental, a maioria das pessoas compreenderam os princípios do lado esquerdo e direito do cérebro, à sua própria maneira. Depois, veio a era da razão, seguida da científica, e começamos a ter curiosidade acerca do que fazia funcionar as coisas, o cérebro inclusive.

No século XIX, os cientistas começaram a especular a esse respeito, até que se deram conta de que o cérebro parecia ser composto por duas metades ou hemisférios os quais, provavelmente,, controlavam diferentes aspectos do organismo humano. Com o passar do tempo, começaram a ser criadas diversas teorias sobre os “dois cérebros”, muitas das quais estavam dentro do que Platão havia definido hám mais de dois mil anos.

O lado esquerdo está associado ao intelecto e está relacionado com o pensamento convergente, abstracto, analítico, calculado, linear, sequencial e objectivo; concentra-se nos detalhes e nas partes do todo. Este lado produz pensamentos que são directos, verticais, sensíveis, realistas, frios, poderosos e dominantes. Os engenheiros penam em usar este tipo de pensamento…

O lado direito está associado à intuição e está relacionado com o pensamento divergente, imaginativo, metafórico, não linear, subjectivo e concentra-se no todo das coisas. Este lado produz pensamentos não flexíveis, divertidos, complexos, visuais, diagonais, místicos e abstractos. Os artistas, músicos, inventores e empreendedores têm fama de usar este tipo de pensamento, juntamente com alguns dos rebeldes companheiros de trabalho…

Ora, quando se vê o anúncio da criação duma nova “AD”, criado no lado direito dos cérebros, pode dele emergir e criar uma ideia totalmente diferente, uma possibilidade fora dos padrões estabelecidos. Deve ter-se em conta que o lado direito do cérebro é tímido e precisa de ser estimulado para funcionar. O poder, por exemplo…

Dizia Einstein: “Raramente penso só com palavras”: E o lado esquerdo, para já nada faz, nada diz. Será que reflecte, que medita e interioriza?

Se precisamos de ambos os lados (hemisférios) cerebrais, temos de saber como nos mover fluidamente dum para outro lado com facilidade e ficar a saber que o lado esquerdo usa da lógica, orienta detalhes baseado em feitos, palavras e linguagem presente e passada. Conhece o nome dos objectos baseados na realidade e as formas de estratégias. É prático e seguro.

Sem comentários:

Enviar um comentário