Número total de visualizações de página

quinta-feira, 16 de maio de 2013

A estratégia de paz para enfrentar a barbárie imperialista

Entre os dias 9 e 14 de abril foram realizadas em Moca, República Dominicana, na sede da Universidade de Tecnologia, dois eventos importantes promovidos pelo Conselho Mundial da Paz (CMP).














Rina Bertaccini*

Uma reunião regional de trabalho das organizações do continente americano ligadas ao Conselho Mundial da Paz- CMP e uma Conferência Continental pela Paz e Direitos Humanos " presidente Hugo Chávez" com o caráter de homenagem ao líder da Revolução Bolivariana. A presença de pelo menos duas centenas de jovens que lotaram a sala de reuniões foi um fator de animação permanente e de discussões, consequência exitosa dos esforços feitos pela União Dominicana de Jornalistas pela Paz anfitriã destas reuniões.

Ambos os eventos aconteceram em um momento de tensão internacional aguda em torno da situação criada na península coreana, onde parecia corporizar-se a real ameaça de um conflito nuclear. Neste contexto, a questão das armas de destruição em massa e a necessidade de parar a loucura da guerra, foi um dos eixos do debate que contribuiu de forma muito eficaz e oportuna intervenção profunda de Sílvio Platero-presidente do Movimento Cubano pela Paz e Soberania e CMP coordenador para a América Latina e Caribe, que se refere ao pensamento de Fidel Castro sobre o desarmamento nuclear. As ideias expressas por Fidel, a respeito, registra Platero, "constitui um vasto campo político que nos introduz à compreensão da realidade política e econômica internacional complexa, consciente dos perigos e ameaças graves enfrentados pela sobrevivência da espécie humana."

Em sua crítica dos monopólios que controlam a indústria de armas e frente aos perigos de uma guerra nuclear, Fidel pergunta: "quais são as dificuldades de desarmamento? Quem são os interessados em estar armados? Os interessados em estar armados até os dentes são aqueles que querem manter as colônias, os que querem manter seus monopólios, os que querem manter suas mãos no petróleo do Oriente Médio, os recursos naturais da América Latina, Ásia, África, e que, para garantir o saque, eles precisam da força (...) sob a lei da força foram ocupados e foram colonizados estes territórios .Sob a lei da força foram escravizadas milhões de pessoas.
 


E é a força que mantém a exploração no mundo. "colonialistas são contra o desarmamento., portanto, "deve lutar com a opinião pública mundial para impor o desarmamento, como devemos impor, lutando com a opinião pública mundial, o direito dos povos à sua libertação política e econômica."Monopólios são contra o desarmamento, bem como as armas que defendem esses interesses, a corrida armamentista sempre foi para eles um grande negócio que lidam com o destino da humanidade. "Devemos desmascarar aqueles que negociam com a guerra, que enriquecem com a guerra (...), especialmente quando a guerra pode ser tão espantosa que não há esperança de libertação, para salvar o mundo. "

Em suma, Fidel adverte: para sobreviver, é imprescindível um salto na consciência da humanidade. Nenhum país grande ou pequeno tem o direito de possuir armas nucleares. Sua existência é uma das mais graves ameaças à espécie humana. Sua destruição é a única garantia de que as armas nucleares não podem ser utilizados, pelos estados ou ninguém. A única solução é o desarmamento geral e completo sob verificação internacional estrito.

E, como mais uma vez se estabeleceu por unanimidade pela Conferência, realizada em Moca, não há alternativa senão a de intensificar a luta pela paz e desarmamento, com a consciência de que a guerra, bem como apontou Fidel não é um desastre natural, como um furacão, uma seca, uma praga ... "A guerra é uma doença social engendrada pelas empresas operacionais e implantada em sua máxima expressão na época histórica da barbárie imperialista."

O desafio hoje é encontrar formas de envolver nessa luta amplos setores populares. Eles apontaram para uma série de apresentações e questões públicas e reflexões e experiências de delegados da Argentina, Brasil, Canadá, Colômbia, Cuba, Chile, Equador, Estados Unidos, Jamaica, México, Peru e Venezuela, Além da grande representação da República Dominicana.

Outro marco da conferência foi a análise de interesses estratégicos e geopolíticos do imperialismo em nosso continente, que se expressa de várias maneiras, mas em termos militares incorporados no aumento do número de bases da Otan (EUA, Grã-Bretanha e França), instalado em mais de nossa América.

Em nome do Mopassol tocou me apresentar dois trabalhos: um sobre os rostos atuais de dominação e as tarefas colocadas pela luta contra os seus "maquiagem" projetos imperiais e outro em torno das Malvinas, a Fortaleza da Otan e a militarização de Atlântico Sul. Comentários foram muito interessantes e muito reconfortante sobre os participantes apoiar a nossa reivindicação de soberania sobre os arquipélagos do sul.

Eles poderiam estar muitos outros aspectos desta Conferência Continental, incluindo intervenções de Equador e Cuba embaixadores e conselheiro da Embaixada da Venezuela em Santo Domingo, também a presença do governador da província de Espaillat, o prefeito e os legisladores da República.

Mas, pela natureza da chamada, vou me concentrar na presença e reflexões de Socorro Gomes, dirigente do Cebrapaz (Brasil) e presidente do Conselho Mundial da Paz. Ela forneceu um instantâneo dos objetivos atuais da CMP em um mundo em crise, enfrentando guerras e de intervenção militar da Otan no Afeganistão, Líbia, Mali, a guerra não declarada na Síria, as ameaças contra o Irã e a situação perigosa na península coreana, a ocupação militar e os crimes de Israel contra o povo palestino, a guerra dos drones de Obama como diretamente responsável pelos assassinatos contra alvos humanos identificados por Washington.

Socorro nos informou e incentivou-nos a participar no Fórum Social pela Paz na Colômbia, que será realizado em Porto Alegre de 24 a 26 de maio. Formulou uma convocação para multiplicar ações de solidariedade com as vítimas diretas da barbárie imperialista.


Ele acabou por reiterar a forte solidariedade da CMP com a Revolução Bolivariana liderada por Hugo Chávez, que continua até hoje o presidente Nicolás Maduro, e com o povo cubano e as realizações de uma revolução cujos heróis cinco presos nos Estados Unidos, exigem o máximo de simpatia International.

* Rina Bertaccini é presidenta do Mopassol da Argentina e vice-presidenta do Conselho Mundial da Paz
 



Sem comentários:

Enviar um comentário