Número total de visualizações de página

quinta-feira, 23 de maio de 2013

Notre Dame: o homem que acabou com a vida para «despertar» os franceses

Historiador e ensaísta da extrema-direita cometeu um «suicídio político» para alertar contra os perigos dos islamismo

O suicídio do ensaísta francês de extrema-direita Dominique Venner, que esta terça-feira acabou com a vida no altar da catedral de Notre Dame em Paris, está agitar a classe política em França. Agitar era precisamente o objetivo do também historiador de 78 anos que travava uma guerra contra o fundamentalismo Islão.

O suicídio simbólico e dramático foi considerado «político» por Marine Le Pen, líder da Frente Nacional desde 2011, quando substitui o seu pai Jean-Marie Le Pen. As declarações de que o suicídio tinha como intuito «acordar o povo francês» foram já condenadas pelo partido de François Hollande. O secretário-geral do Partido Socialista, Harlem Desir, declarou que estava «chocado» com as palavras da líder da extrema-direita. 

O socialista classificou o ato de Dominique Venner como um «gesto de um marginal de extrema-direita» e considerou que as palavras de Le Pen pareciam querer «justificar» o suicídio. «Uma violência muito reveladora», defendeu. 

O ato dramático ocorreu dentro da catedral francesa, que todos os dias recebe milhares de visitantes. Notre Dame, uma das principais atrações turísticas de Paris, teria, no momento em que Venner, ex-combatente da guerra da Argélia, entrou e caminhou até ao altar para terminar com a vida, 1500 pessoas no seu interior. O local foi evacuado e isolado pelas autoridades. As reacções não tardaram. 

Perto de 100 pessoas reuniram-se no à porta de Notre-Dame para homenagear o autor de vários livros de História. Pouco depois era a vez da líder da Frente Nacional reagir no Twitter. «Todo o respeito a Dominique Venner, cujo final, um ato eminentemente político, foi uma tentativa para tentar acordar o povo de França», escreveu. Mais tarde acrescentou que «é na vida e na esperança que França se irá renovar e salvar». Bruno Gollnisch, um outro membro da Frente Nacional, disse que o ato dramático foi «um protesto contra a decadência da sociedade». 

Dominique Venner era um opositor feroz do casamento gay e da influência do Islão em França. Inicialmente, classificou-se o suicídio como um protesto contra a união de pessoas do mesmo sexo, dado o último post de Venner no seu blogue. No entanto, e apesar de não ter sido encontrada nenhuma nota junto ao corpo, um amigo próximo do autor leu numa rádio conservadora os motivos que levaram o militante da extrema-direita a terminar com a vida. 

«Eu acredito que é necessário sacrificar-me para quebrar a letargia que nos está a esmagar», escreveu, citado pelo amigo. «Mato-me para despertar consciências adormecidas». O seu editor, Pierre-Guillaume de Roux, recusou que, apesar da sua manifestação contra o casamento gay, este fosse o motivo da morte. «Isto é bem mais profundo», declarou sobre o ensaísta que se preparava para publicar um novo trabalho. 

O editor de Venner considerou ainda que a morte do autor podia ser comparada ao escritor japonês Mishima (sobre quem escreveu), que em 1979 planeou o seu suicídio num ritual que durou um ano, depois de ter falhado um golpe de Estado. Venner teve também uma ligação à Organização Armada Secreta, que tentou assassinar o presidente Charles De Gaulle, e chegou mesmo a ser detido. 

No último post do seu blogue, Venner cita um blogger algeriano que escreveu que «daqui a 15 anos estaremos no poder e revogaremos» a lei que permite o casamento gay. Venner diz que este é o único ponto que a tradição europeia tem em comum com o islamismo, que diz ser o verdadeiro risco futuro. O ensaísta acusa os partidos políticos e a igreja de apoiarem a imigração e aos manifestantes anti-gay diz que é preciso protestar contra muito mais. 

«Vão ser necessários novos gestos, espetaculares e simbólicos para sacudir a sonolência, a consciência anestesiada e despertar a memória das nossas origens». 

«Estamos a entrar num momento em que as palavras devem ser autenticadas por atos», escreveu e assim fez.

=TVI24=

Sem comentários:

Enviar um comentário