Número total de visualizações de página

segunda-feira, 6 de maio de 2013

Beate Zschaepe: Alemanha começa a julgar a «filha» de Hitler

Grupo de extrema-direita responsável por 10 homicídios foi desvalorizado pelas autoridades alemãs

Começa esta segunda-feira o julgamento de Beate Zschaepe, de 38 anos, acusada do homicídio de oito turcos, um grego e de uma agente da polícia, para além de pelo menos dois atentados à bomba e de 15 assaltos a bancos.

À porta do tribunal, em Munique, centenas de polícias tentam assegurar a segurança de um julgamento marcado por ideais xenófobos num país que não esquece o legado do Holocausto.

Num cartaz empunhado pelos vários manifestantes que se encontram no local, lê-se: «Filha de Hitler, vais pagar pelos teus crimes».

Beate Zschaepe é a única sobrevivente do grupo Clandestinidade Nacional-Socialista, que durante cerca de uma década protagonizou uma série de crimes anti-imigrantes com os quais a polícia alemã não estava preparada para lidar.

Como tudo começou

Na Alemanha pós-queda do Muro de Berlim, três jovens conheceram-se em Jena, uma região muito afetada pelo período conturbado da história da Europa Central, numa fase onde crescia um sentimento anti-imigrantes.

Beate Zschaepe, Uwe Mundlos e Uwe Boenhardt organizaram uma campanha neo-nazi sobretudo contra turcos, cuja comunidade é de cerca de três milhões na Alemanha.

Durante uma década, a polícia não percebeu que os dez homicídios estavam ligados. As autoridades culparam a «máfia turca», atribuíndo as mortes aos gangues de imigrantes. Se o fizeram por incompetência ou por racismo, é uma resposta que este julgamento também procura.

Só em novembro de 2011, quando Uwe Mundlos e Uwe Boenhardt se suicidaram após um assalto que correu mal, é que a polícia conseguiu ligar as armas dos dois suspeitos aos outros crimes.

Quatro dias depois, Beate Zschaepe entregou-se à polícia. Agora nega as acusações mas enfrenta a prisão perpétua. Também outros quatro homens, que terão ajudado o grupo Clandestinidade Nacional-Socialista, começam a ser julgados esta segunda-feira.

Mais do que uma condenação

O que os alemães esperam deste julgamento não é apenas a condenação de Beate Zschaepe, mas o encerramento de um capítulo marcado pela desvalorização dos grupos de extrema-direita.

Vários responsáveis dos serviços de segurança demitiram-se na sequência deste caso e o parlamento concluiu que as instituições não têm ainda capacidade para lidar com extremistas neo-nazis.

As autoridades optaram por culpar as vítimas em vez de enfrentarem um problema que não desapareceu da Alemanha democrática. 

A chanceler Angela Merkel já pediu desculpa às vítimas e às famílias, mas continua a ser difícil ouvir algum responsável falar em crimes de natureza racista.

=TVI24=

Sem comentários:

Enviar um comentário