Número total de visualizações de página

sábado, 24 de agosto de 2013

EUA avaliam opções militares para o conflito na Síria

Pentágono reforça presença naval no Mediterrâneo e secretário da Defesa diz que estão a ser analisadas "opções para todas as contingências". Damasco acusou rebeldes de usarem armas químicas
Responsáveis do Pentágono adiantam que quatro navios receberam ordens para se deslocarem para o Mediterrâneo oriental

Os Estados Unidos estão a reforçar a sua presença naval na zona oriental do Mediterrâneo, numa altura em que a Administração Obama, apesar das palavras cautelosas do Presidente, avalia as opções em cima da mesa para responder às alegações de que o regime de Bashar al-Assad usou armas químicas contra zonas no subúrbio de Damasco.
Tudo não passa, para já, dos habituais planos de contingência postos em marcha pelo Pentágono sempre que há um desenvolvimento significativo. Mas as manobras, confirmadas pelo secretário da Defesa norte-americana, Chuck Haguel, surgem como contrapeso às declarações de Barack Obama que, sexta-feira, avisou que uma intervenção militar contra a Síria arriscaria “alimentar mais ressentimento na região” sem conseguir resolver o “complexo problema sectário” em que a guerra civil se transformou.
“O Departamento de Defesa tem a responsabilidade de dar ao Presidente opções para todas as contingências”, afirmou Haguel, antes de acrescentar: “Isso implica posicionar as nossas forças e os nossos equipamentos, para sermos capazes de executar as diferentes opções – qualquer que seja a escolhida pela Presidente”. O secretário da Defesa norte-americano não quis confirmar se foram já dadas ordens de mobilização ou que meios estão envolvidos nestes planos de contingência, limitando-se a adiantar que Obama pediu ao Pentágono que lhe apresentasse diferentes opções.
No entanto, responsáveis do Departamento de Defesa revelaram, sob condição de anonimato, que quatro navios – equipados com mísseis de cruzeiro – receberam ordens para se deslocaram para a zona oriental do Mediterrâneo. Uma das fontes, citada pela Reuters, diz que um deles, o USS Mahan, tinha já terminado a sua missão na região e preparava-se para regressar à base de Norfolk, na Virgínia, mas o comandante da VI Esquadra ordenou que permanecesse na região.
O New York Times noticiou que Obama se reuniu nesta semana com os seus principais assessores de segurança nacional para discutir que respostas dar ao alegado uso de armas químicas – uma denúncia feita por activistas da oposição e que os ocidentais, depois da cautela inicial, parecem cada vez mais dispostos a caucionar. A reunião, adianta o jornal, terminou sem consenso, mas a BBC diz que há vários responsáveis furiosos com o que consideram “uma flagrante violação da lei internacional” e defende que Washington não pode ficar impávido se as acusações se confirmarem.
Uma nova reunião vai acontecer neste sábado e, em comunicado, a Casa Branca adianta que assim os serviços secretos tenham “clarificado os factos” sobre o que aconteceu quarta-feira nos arredores de Damasco “o Presidente vai tomar uma decisão informada sobre como responder”.  “Temos um leque de opções disponíveis e vamos agir de forma muito deliberada para que as decisões que tomarmos sejam consistentes com o interesse nacional e com a avaliação feita sobre como podemos atingir os nossos objectivos na Síria”.
Sexta-feira, na entrevista à BBC, Obama disse que os responsáveis americanos estão ainda a “reunir informações sobre este acontecimento”. “Mas posso dizer que, ao contrário de certas provas que tentámos obter previamente, e que nos conduziram ao envio de investigadores das Nações Unidas para a Síria, o que já vimos indica que se tratou claramente de um grande acontecimento, de grave preocupação”.
Regime denuncia ataque químico em Jobar
O Conselho de Segurança, reunido de emergência na quarta-feira, não chegou a acordo para dar os peritos em armas químicas da ONU, que estão desde domingo em Damasco, um mandato para se deslocarem aos subúrbios onde, segundo a oposição, 1300 pessoas morreram asfixiadas na madrugada de quarta-feira.
Estados Unidos e Rússia pediram “ao Governo sírio para cooperar com os peritos” na investigação destas denúncias, mas Moscovo insiste que cabe aos rebeldes garantir condições de acesso dos peritos à zona - uma garantia que a oposição já disse existir. Neste sábado, chegou a Damasco a alta representante da ONU para os Assuntos de Desarmamento, Angela Kane, com o objectivo de pressionar o regime a autorizar as inspecções na zona.
Mas a missão poderá ter ficado comprometida com um novo desenvolvimento: a televisão estatal noticiou que soldados sírios foram asfixiados por agentes tóxicos durante combates em Jobar, um dos subúrbios que a oposição diz ter sido atacado com armas químicas na quarta-feira. “Os nossos heróis do Exército entraram em túneis de terroristas e viram agentes químicos”, adiantou o canal, acrescentando que vários soldados terão inalado gases tóxicos e “alguns estão em estado crítico”.
O bairro, no Leste da capital síria, é controlado pelos rebeldes, mas segundo a televisão estatal estará em marcha uma ofensiva para retomar a zona. 

=Público=


Sem comentários:

Enviar um comentário