Número total de visualizações de página

quinta-feira, 28 de março de 2013

Bolsa de Chipre vai continuar encerrada apesar da reabertura dos bancos


A última sessão da praça financeira foi em 15 de Março e o Governo só pretende que fique operacional na próxima terça-feira.
Levantamentos vão continuar limitados a 300 euros por dia

A Bolsa de Chipre vai continuar parada, apesar de os bancos do país abrirem nesta quinta-feira, depois de doze dias de encerramento forçado. O Governo pretende manter a praça financeira inactiva até dia 2 de Abril, terça-feira, noticiou a Reuters.
Está previsto que as instituições financeiras do país reabram as portas às 12h locais (10h de Lisboa), havendo já relatos de guardas armados à porta dos bancos, embora não haja ainda registo de distúrbios, segundo a AFP.
Depois de o Governo ter confirmado a data da reabertura, espera-se que muitos cipriotas se desloquem às diferentes delegações bancárias do país, uma vez que os levantamentos têm estado limitados a cerca de 100 euros por dia.
No entanto, foram impostas medidas para prevenir uma corrida aos depósitos e a saída de capitais de Chipre. Continua a haver um tecto máximo nos levantamentos (300 euros por dia) e os cheques também não poderão ser levantados. Também não será permitido levar mais de 3000 euros em viagens para o exterior.
No que diz respeito a transferências, as novas regras impedem fluxos acima de 5000 euros, a não ser que se garanta uma autorização do banco central de Chipre, o que poderá ocorrer nos casos em que as empresas dependam destas operações para, por exemplo, pagar importações.
A reabertura dos bancos acontece nesta quinta-feira, depois de doze dias de encerramento forçado, fruto das negociações em redor do plano de resgate do país. Chipre chegou a acordo com a Comissão Europeia e o Fundo Monetário Internacional na passada segunda-feira, estando previsto um empréstimo de 10.000 milhões de euros em troca de uma reestruturação profunda do sistema financeiro, que afectará os dois maiores bancos do país.
O Laiki, segunda maior instituição financeira cipriota, será desmantelado, depois de transferidos os seus activos “sãos” e os depósitos inferiores a 100 mil euros para o Banco de Chipre, que será reestruturado e cuja administração já foi afastada.
O plano de resgate prevê cortes para os depositantes acima de 100 mil euros, para os accionistas e detentores de títulos dos dois bancos. Inicialmente, o ministro das Finanças de Chipre estimou esse corte em 30%, mas depois reviu em alta a fasquia para os 40%. Na quinta-feira, surgiram rumores de que o patamar poderá chegar a 80%.
=Público=

Sem comentários:

Enviar um comentário