Número total de visualizações de página

quarta-feira, 27 de março de 2013

Defensores e opositores do casamento gay contentes com primeiro dia no Supremo


Sessão do tribunal mostra divisões dos juízes. Para já, todos pensam que vão vencer.
Discussão de pontos de vista opostos sobre o casamento entre pessoas do mesmo sexo à porta do Supremo 

Alguns defensores do casamento gay estavam acampados à porta do Supremo há cinco dias para assegurar que conseguiam um dos 60 a 70 lugares disponíveis para o público no primeiro dia de audiências sobre dois casos ligados ao casamento gay no Supremo Tribunal dos Estados Unidos, que pela primeira vez se vai pronunciar sobre o tema. No final da sessão, quer os apoiantes quer os opositores do casamento entre pessoas do mesmo sexo saíram "satisfeitos" com os argumentos e declarando expectativas de que o seu lado irá vencer.
Artigos na imprensa norte-americana apontavam a polarização do tribunal, e a apreciação dos activistas parecia sublinhá-la. "Acho que vamos vencer", dizia Andy Pugno, defensor da Proposition 8, que foi aprovada na Califórnia nas eleições de 2008 e ditava a proibição do casamento entre pessoas do mesmo sexo no estado. "Os juízes colocaram boas questões, ponderadas, e conseguimos dizer tudo o que queríamos em tribunal", declarou ao Los Angeles Times. "Um dos juízes disse que isto é algo mais recente do que os telemóveis e a Internet e questionou se seria algo que o tribunal deveria decidir à pressa".
O outro lado mostrou-se igualmente confiante de que a sessão tinha corrido bem para os defensores da reversão da Proposition 8. Jon Davidson, director de uma organização de defesa de direitos de homossexuais Lambda Group, sublinhou uma altura que classificou como decisiva: quando um dos juízes perguntou a um advogado defensor da Proposition 8, Charles Cooper, se havia uma base racional para tratar de modo diferente homossexuais em qualquer área, como emprego, que não o casamento. Cooper disse que não.

 
Mudança na opinião pública
A mudança na opinião pública em relação à questão do casamento entre pessoas do mesmo sexo é uma das maiores, e mais rápidas, em qualquer questão da última década, diz o Los Angeles Times.
Uma sondagem do instituto Pew mostra que um em cada sete americanos tinham mudado de opinião em relação ao assunto, a maioria de uma posição contra para a favor. A maioria deu como razão para a mudança o ter um amigo ou familiar homossexual.
Nos Estados Unidos, o casamento entre pessoas do mesmo sexo é agora permitido em nove estados e em Washington DC, e vários estados deverão votar medidas para o permitir ainda este ano. No entanto, diz o New York Times, esta mudança dá argumentos tanto aos defensores como aos opositores da reversão da Proposition 8.
Os que desafiam a proibição pedem ao tribunal que tenha uma atitude de liderança representando esta mudança na opinião pública. Os que defendem a medida, dizem que o facto de haver mais estados a aprovar o casamento gaysignifica que o processo democrático está a funcionar e o tribunal não deveria interferir.
E os próprios juízes questionaram sobre deveriam mesmo estar a decidir sobre o caso, como Anthony M. Kennedy, um dos juízes ouvidos com mais atenção já que, nota o Washington Post, deverá ser dele o voto crucial. O juiz expressou compreensão pelos filhos dos casais gay, lembrando que há "cerca de 40 mil crianças que vivem com pais do mesmo sexo", e que "querem que os pais tenham pleno reconhecimento e estatuto". Mas também foi Kennedy a levantar a questão da incerteza das consequências de algo muito novo: "São cinco anos de informação [em que há casamento de casais homossexuais] contra 2000 anos de História", declarou.

 
=Público=

Sem comentários:

Enviar um comentário