Número total de visualizações de página

quinta-feira, 28 de março de 2013

Sobre o acordo com o Eurogrupo


O acordo alcançado pelo Eurogrupo durante a manhã foi o clímax da primeira fase dos planos da Troika contra o povo cipriota. O acordo não só não ajuda a tratar os problemas que confrontam a economia como também aprofunda a crise pois levará a mais consequências penosas para o nosso país e o nosso povo. 

O resultado levará a mais alto desemprego, à implementação de medidas de austeridade adicionais, a cortes e privatizações, provocando problemas enormes para pequenos e médias empresas obrigando-as a encerrar.

Nos últimos dias nossos "parceiros" europeus revelaram com cinismo que este era o seu plano desde o princípio. Isto equivale a dizer: eles fixaram objectivos e seguiram uma rota específica para a sua implementação.

Em relação ao AKEL, nós apontámos desde o início que a rota seguida pela Troika para tratar a crise económica era um beco sem saída. A tentativa de resgatar o Euro através dos três pilares da austeridade, cortes e privatizações simplesmente aprofundou a recessão ainda mais e levou os países e povo do Sul da Europa ao desastre. Infelizmente, os círculos dirigentes da União Europeia teimosamente insistem nestas políticas de beco sem saída as quais não levam ao desenvolvimento. Nosso aprisionamento nestes modos de pensamento, tal como o governo Anastasiades está a actuar, não cria qualquer perspectiva de ultrapassar os problemas mas, ao invés, carrega os ombros do povo trabalhador com enormes consequências negativas.

Nossa opção como povo é libertar-nos desta estrutura de raciocínio, resistir às ameaças de Troika e procurar uma solução fora desta estrutura.

O sr. Anastasiades durante a eleição fez campanha pelo voto do povo de Chipre e assumiu o mandato prometendo melhorar o acordo do Memorando de Novembro de 2012. Ele baseou a sua posição sobre as relações de amizade com a chanceler alemã A. Merkel e os outros líderes europeus. No fim descobriu da forma mais dura que a única coisa em que os seus "amigos" estiveram interessados era servir os seus próprios interesses ao invés de apoiar a República de Chipre. Quando apontámos esta realidade brutal durante a administração Christofias eles ridicularizaram-nos. Agora foi provado que a única coisa em que os "parceiros" europeus se concentravam era colocar-nos constantemente diante de dilemas de chantagem e ele, por sua vez, está a fazer o mesmo ao povo cipriota. Infelizmente o sr. Anastasiades em apenas três semanas pôs de lado tudo o que havia prometido ao povo cipriota.

Em todo este processo, lamentamos observar que ele não aceitou ter uma discussão real sobre a proposta de procurar uma solução fora da estrutura da Troika. Ele simplesmente informou-nos acerca da manobra do governo. Uma vez que importantes responsáveis do partido DISY provocadoramente declaram que o sr. Anastasiades assegurou o acordo dos partidos políticos antes de proceder à aceitação do acordo da noite passada, enfatizou que isto é uma completa mentira. O sr. Anastasiades informou os partidos políticos acerca do acordo que havia concluído. Nem ele pediu nem teve o nosso apoio. Além disso, durante todo este tempo reiteradamente sublinhámos que a nossa posição era procurar uma solução fora da Troika.

Acreditamos que o acordo Anastasiades – Eurogrupo é o princípio de novas desgraças para Chipre e o nosso povo. É dever dos partidos políticos projectar um caminho de saída para o povo e trazer de volta a esperança e a perspectiva. Asseguramos ao povo que o AKEL tomará iniciativas em relação tanto ao governo como aos partidos políticos para iniciar um diálogo que levará à formulação de uma proposta para uma saída desta crise.

Ao mesmo tempo propomos e insistimos no seguinte:
1. A realização de um referendo de modo que o povo cipriota decida sobre o acordo Anastasiades-Troika. Estas decisões determinarão o nosso futuro por muitos anos e o povo tem todo o direito de dizer o seu ponto de vista.
2. Exigimos que os procedimentos para punir os responsáveis por todos os problemas que assaltam a economia de Chipre deveriam ser postos em acção. Para este propósito, o Relatório 

Alvarez & Marshall deveria ser encaminhado directamente para a Câmara dos Deputados e o Procurador-Geral.

3. Apelamos ao Governador do Banco Central a que submeta à Câmara dos Deputados os nomes de todos aqueles que durante este período recente tenham levado dinheiro em massa para fora do país e dos bancos cipriotas e que possuam postos políticos ou estatais. A investigação deve ser estendida também aos seus familiares.

Dirigimo-nos ao povo cipriota, declarando que estamos a enfrentar tempos muito difíceis. Atravessámos tempos muito difíceis também no passado. Nós não capitulámos ou nos rendemos. Nem capitularemos ou nos renderemos agora. Não capitularemos mas resistiremos, travando a batalha e venceremos.

Comunicado de imprensa do CC do AKEL, 25 de Março de 2013, Nicósia

O original encontra-se em http://www.akel.org.cy/nqcontent.cfm?

Esta declaração encontra-se em http://resistir.info/ .

P. C. B.

Sem comentários:

Enviar um comentário