Número total de visualizações de página

domingo, 17 de março de 2013

Filho gay leva senador republicano a mudar de opinião sobre o casamento


Rob Portman assinou lei que define casamento como união entre homem e mulher, mas o seu filho trocou-lhe as voltas.










O senador Rob Portman chegou a ser o favorito para o lugar de vice-presidente na candidatura de Mitt Romney 

Os defensores do casamento entre pessoas do mesmo sexo nos EUA ganharam um aliado tão importante como inesperado. O senador republicano Robert "Rob" Portman, visto no ano passado como um dos mais fortes candidatos a correr ao lado de Mitt Romney contra Barack Obama e signatário da lei que definiu o casamento como uma união entre um homem e uma mulher, em 1996, mudou radicalmente de opinião.
A decisão, anunciada num texto publicado no diário The Columbus Dispatch, foi motivada pela descoberta de que um dos seus filhos, Will Portman, é homossexual. "Acredito agora que se duas pessoas estão preparadas para assumirem um compromisso de vida para se amarem e cuidarem uma da outra, nos bons e nos maus momentos, o Governo não deve negar-lhes a oportunidade de se casarem", escreveu o senador eleito pelo estado do Ohio, que chegou a trabalhar na primeira administração de George Bush, na viragem das décadas de 80 e 90, e foi nomeado para dois cargos importantes por George W. Bush.
Depois de o seu filho ter assumido a sua orientação sexual, Rob Portman iniciou um período de reflexão familiar, que terminou nesta semana com o anúncio público da sua decisão. Uma decisão baseada na mesma fé que o levou a rejeitar o casamento igualitário em 1996: "Em última análise, tudo se resumiu aos temas abrangentes da Bíblia sobre o amor e a compaixão e à minha crença de que todos somos filhos de Deus."
No texto publicado no The Columbus Dispatch, o senador republicano explicou todo o processo que o levou a mudar de opinião: "Há dois anos, o meu filho Will, que frequentava então o primeiro ano da universidade [em Yale], disse-me a mim e à minha mulher, Jane, que é gay. Disse-nos que já tinha consciência desse facto há muito tempo e que a sua orientação sexual não tinha sido uma escolha sua; era apenas uma parte daquilo que ele é. A Jane e eu ficámos orgulhosos com a sua honestidade e a sua coragem. Ficámos surpreendidos por ele ser gay, mas sabíamos que ele continuava a ser a mesma pessoa que sempre fora. A única diferença é que passámos a ter uma imagem mais completa do filho que amamos."
O filho, Will Portman, agradeceu as palavras do pai através da sua conta no Twitter: "Hoje, sinto-me particularmente orgulhoso do meu pai", escreveu, juntando um link para o texto publicado no jornal.
O anúncio do influente senador republicano surge a apenas duas semanas da decisão do Supremo Tribunal sobre a contestação à Lei de Defesa do Casamento, aprovada há 17 anos – até ao final do mês, o Supremo irá decidir se o casamento entre pessoas do mesmo sexo deixará de ser proibido a nível federal.
Numa entrevista à CNN, Portman revelou que falou com o antigo vice-presidente Dick Cheney, cuja filha Mary se casou com a sua companheira Heather Poe em Junho do ano passado em Washington, DC – o casamento entre pessoas do mesmo sexo é reconhecido na capital dos EUA e em nove estados. Cheney, vice-presidente de George W. Bush, é um dos mais conhecidos defensores do casamento igualitário no interior do Partido Republicano.
A decisão de Portman motivou uma reacção seca por parte do republicano Newt Gingrich, antigo presidente da Câmara dos Representantes: "Podemos dizer: acredito tanto nos meus princípios, que vou expulsar-te de casa. Podemos dizer: continuo a acreditar nos meus princípios, mas amo-te. Ou podemos dizer: amo-te tanto, que vou mudar os meus princípios. O Rob escolheu a terceira via. É um direito que ele tem."
 
=Público=

Sem comentários:

Enviar um comentário