Número total de visualizações de página

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

Os discípulos de Urubulino


No meu tempo de jovem, em plena ditadura, entre as correntes que, clandestinamente, se opunham ao regime militar de exceção, um grupo delas defendia a tese do “quanto pior melhor”, argumentando que o endurecimento do regime militar acabaria por provocar reações cada vez mais fortes dos brasileiros, tudo culminando, assim, com a derrubada dos usurpadores do poder. A tese era questionada, a meu ver corretamente, por outros segmentos de contestação ao governo, que entendiam que esse cenário apenas provocaria um número maior de mortes e torturas, sem a imaginada contrapartida. Na verdade, em situações desse tipo, a corda sempre costuma arrebentar do lado mais fraco...

Ironicamente, essa tese é hoje - sem grandes sutilezas, em contexto totalmente diverso e com propósitos nem um pouco meritórios - defendida pelo pessoal da direita, que torce por um aumento da crise mundial, acreditando que esse será um caminho fértil para a retomada do poder que perderam em nosso país. Basta prestarmos atenção às declarações dos políticos representados por tucanos e outros bichos, e da mídia que os amplifica. É um tal de “a não ser que a crise aumente” e coisas do gênero como indisfarçável condicionante sonhada de uma diminuição do prestígio de Dilma, e sua consequente derrota eleitoral. Essa turma sabe que os partidos fisiológicos – esses que, nem de direita nem de esquerda , se atrelam ao poder pelo poder, qualquer que seja ele – estão sempre dispostos a abandonar o barco se as tempestades econômicas criarem indesejáveis turbulências.

Tendo como programa a defesa dos interesses de mercado e da manutenção dos seculares privilégios de classe, a atual oposição , qual o personagem Urubulino, criado por Chico Anysio, procura sempre enxergar o lado ruim de qualquer situação positiva que aponte para uma melhora do quadro social e diminuição das desigualdades. Urubulino era uma figura soturna que, na profissão de papa-defuntos, disseminava o pessimismo, alimentando-se dele. É isso que faz esse pessoal, com o uso sistemático do “mas” como instrumento de desqualificação, como várias vezes já fizemos menção neste espaço. Recentemente, quando se comemorava o fato de que o Brasil alcançava mínimos índices de desemprego, os menores apurados no pais desde que se colhem tais dados, uma economista-ícone da mídia global, não podendo deixar de reconhecer o fato, alertava para os perigos de “se diminuírem os estoques de mão de obra”, assim mesmo, com essa expressão que coisifica os trabalhadores, dentro do jargão mercadológico.

Os falsos seguidores de Hardi Ha Ha, a hiena do Hanna Barbera que vivia identificando o azar em todos os dias e que usava o bordão “Isso não vai dar certo” , anseiam pelo aumento da crise, valendo-se de suas posições de “especialistas” para plantar o negativo. Misturam deliberadamente o cenário nacional com os problemas do capitalismo mundial em sua atual versão comandada por especuladores desatinados e irresponsáveis que levaram e continuam levando o planeta à beira do abismo. Tentam levar os brasileiros mal informados a uma identificação incorreta. Pensam em responsabilizar o governo Dilma se a crise chegar ao nosso país.

Não é possível imaginar postura mais perversa do que a ostentada por esses brasileiros , que não hesitam em procurar denegrir os avanços do país e não têm qualquer pudor em aliar-se a interesses contrários aos do povo. Não falo de um ufanismo vazio, mas de um crescimento da sociedade, como um todo. Um exemplo recente dessa oposição sabotadora: quando o Governo acena com a diminuição do valor das contas de luz, as empresas ligadas aos tucanos – alegando a defesa de interesses restritos de acionistas e insensíveis ás necessidades do cidadão comum - recusam-se a participar...Penso que essa é uma postura emblemática do liberalismo.

O fato é que eles anseiam pela carniça de que se alimentarão, se não tivermos como escapar da crise tão decantada. Qualquer coisa vale para a queda de Dilma, sua não reeleição.

E têm representantes fiéis na grande mídia e no grande judiciário... Assim, esperam que a crise, se vier, não os atinja, confiantes, como sempre, de que os que têm gordura para perder se darão melhor do que os menos favorecidos (e não vai aqui nenhuma alusão ao milionário Ronaldo , no seu emagrecimento global) . Afinal, com raras exceções, não tem sido assim desde que o mundo é mundo?

Elitistas por vocação, almejam pela volta dos privilégios integrais, que consideram foram encurtados com projetos como a bolsa-família, no nível mais baixo, ou com o aumento do poder aquisitivo da nova classe média, que ocupa sem reverência os corredores dos supermercados e os espaços de condomínios e aeroportos...

Como tudo que essa turma tem defendido e feito ultimamente, pode ser que estejam dando um novo tiro no pé. Se a crise vier e gerar o fim dos sonhos de quem acreditou em um país mais justo, não sei se alguém poderá comemorar. 

Pode ser que ela seja bem maior do que desejam os abutres hipócritas. Mas, já que hoje estão defendendo o “quanto pior melhor”, pode ser que ela provoque, pela retrocesso das conquistas sociais e pela ausência de amortecedores , uma vigorosa reação daqueles que vierem a ter podadas as esperanças e expectativas semeadas nos últimos anos... Quem quiser, que pague para ver...

T. M.

Sem comentários:

Enviar um comentário