Número total de visualizações de página

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

«VatiLeaks»: Bento XVI recebe cardeais que realizaram inquérito


Relatório pode vir a ser abordado nas «Congregações», de acordo com a imprensa italiana


Bento XVI recebeu esta segunda-feira a comissão de três cardeais reformados, que realizou desde abril, a pedido do Papa, um inquérito ao escândalo da fuga de documentos confidenciais «Vatileaks», anunciou o Vaticano.

O cardeal espanhol Julian Herranz, o eslovaco Jozef Tomko e o italiano Salvatore De Giorgi são os três elementos da comissão.

O diário italiano La Stampa tinha anunciado a realização desta audiência antes da demissão efetiva do Papa, na quinta-feira.

No sábado, o Vaticano criticou as alegações da imprensa, nomeadamente italiana, sobre os escândalos financeiros e sexuais na Cúria romana, que afirmou serem falsas e pretenderem condicionar o futuro conclave, num comunicado publicado pela Secretaria de Estado, escreve a Lusa.

O porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardi, considerou que «alguns procuram aproveitar o movimento de surpresa e desorientação», após a demissão histórica anunciada pelo Papa, «para semear a confusão e desacreditar a Igreja e o seu Governo».

Sob o título «Sexo e carreira, as chantagens do Vaticano atrás da renúncia de Bento XVI», o La Repubblica (esquerda) garantiu que o cardeal da Opus Dei, Julian Herranz, tinha abordado em outubro, perante o Papa, o dossiê «mais escabroso» do «Vatileaks»: o de «uma rede transversal unida por orientação sexual».

A contrariedade manifestada pelo Papa terá contribuído para a decisão de renunciar, de acordo com o La Repubblica.
Fontes do Vaticano afirmaram depois que Bento XVI não poderá ter sido influenciado por um tema bem conhecido e anterior ao seu pontificado. Apenas a debilidade física do Papa determinou a decisão de renunciar, disseram.

Em abril, Bento XVI tinha encarregado os três cardeais de interrogar dezenas de pessoas que trabalham no Vaticano, laicos e religiosos, incluindo outros cardeais, sobre a origem das fugas. O relatório permaneceu secreto.

De acordo com a imprensa italiana, o relatório poderá ser abordado nas «Congregações», reuniões de cardeais que vão decorrer a partir de 01 de março para preparar o conclave.

O Papa Bento XVI, de 85 anos, anunciou a 11 de fevereiro, durante um consistório no Vaticano, a resignação a partir dia 28 de fevereiro devido «à idade avançada».

Um novo papa será escolhido até à Páscoa, a 31 de março, disse o porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi, anunciando que um conclave deve ser organizado entre 15 e 20 dias após a resignação do pontífice.

O último chefe da Igreja Católica a renunciar foi Gregório XII, no século XV (1406-1415).

=TVI24=

Sem comentários:

Enviar um comentário