Número total de visualizações de página

domingo, 10 de fevereiro de 2013

Profecias que se cumpriram


Gabriel Perissé 

Crianças carentes, sem um lar adequado, sem uma escola que as forme para a cidadania, estão à mercê da bandidagem e nela acabam ingressando. 

Quem previu o problema, no contexto carioca, foi Leonel Brizola, nos anos 1980-1990. A operação de guerra a que agora estamos assistindo no Rio de Janeiro é um aspecto dessa profecia que se cumpriu.

Empregar a violência para deter o crime é a outra ponta de uma história que começa na ausência de um projeto educacional que ofereça às crianças e aos jovens horizontes de inserção social, trabalho, dignidade. A educação é, senão a única, uma inquestionável iniciativa pacificadora.

Não basta documentar e comemorar a derrota dos traficantes, como a mídia tem feito nos últimos dias. É preciso lembrar e lamentar a derrota social e política anterior, a nossa derrota, quando esses bandidos ainda não eram bandidos, tinham entre 7 e 15 anos de idade, e precisavam estar dentro da escola, recebendo (e também suas famílias) atenção integral, abertura de caminhos melhores do que a "carreira" criminosa.

Brizola, Darcy e Anísio Teixeira

Nos seus tijolaços, matéria paga em grandes jornais (O GloboFolha de S.PauloCorreio Braziliense), Brizola insistia em que a maior parte da criminalidade existente no Rio de Janeiro era composta por jovens com menos de 18 anos de idade. Crianças e adolescentes, na verdade, a serem atendidos por uma escola que superasse o velho esquema dos insuficientes turnos de quatro horas.

Era preciso investir numa escola de tempo integral, na qual o aluno passasse o dia inteiro, estudando (domínio da leitura, da escrita e do cálculo, instrumentos fundamentais), pesquisando, se divertindo, com animação cultural, com prática esportiva, com assistência médica, dentária e higiênica. Tudo gratuito. Que o Estado pusesse em prática a visão educacional de Anísio Teixeira —de uma escola pública, laica e obrigatória—, sob a orientação de Darcy Ribeiro.

Como podemos constatar neste vídeo, o a antropólogo e sociólogo também fazia suas profecias. Darcy Ribeiro antevia o Brasil como civilização cheia de promessas, uma nova Roma, em que os mestiços brasileiros, recebendo educação humanizadora, e não um remendo qualquer, desenvolveriam seus talentos e potencialidades.

O projeto educacional de Anísio/Darcy/Brizola foi abertamente combatido por forças políticas representadas por Moreira Franco (em 1987) e Marcelo Alencar (em 1995), que sucederam a Brizola no governo do Rio. Do ponto de vista da imprensa, O Globo celebrou o enterro da escola popular brizolista, ao publicar, em maio de 2006, uma série de reportagens sobre os Centros Integrados de Educação Pública (Cieps): ""Vinte e um anos depois, as lições dos Cieps"". A conclusão era uma só: foi tudo um grande fracasso. (Um fracasso desejado, certamente.)

 R. J.

Sem comentários:

Enviar um comentário